Translate

Em protesto!

 Boa Noite Pessoal! 
 Hoje vim trazer uma notícia nada legal!

Na noite do dia 14 de abril, homens armados - integrantes do grupo radical islâmico Boko Haram - invadiram um internato em Chibok, pequena cidade interiorana no Estado de Borno, no noroeste da Nigéria.




 "Não se preocupem, não vai acontecer nada com vocês" foi o que disseram para as mais de 200 meninas nigerianas sequestradas, a maioria entre 16 a 18 anos. Depois de pegar os produtos de valor da escola onde as meninas estavam, queimaram o prédio e levaram elas, para onde ninguém sabe. Algumas garotas conseguiram fugir, mas outras os pais ainda continuam sem notícias. A maior tristeza é que elas CONSEGUIRAM FUGIR, ninguém foi resgata-las. Não tem nenhum exercito atrás delas, ha não ser os infelizes pais.
 Uma das hipóteses é de que elas teriam sido levadas para Sambisa, um frondoso bosque cortado por riachos e habitado por antílopes e elefantes, muito frequentado por pescadores e caçadores antes do acontecido.
 Também há relatos de que algumas teriam sido vistas em caminhões na direção do Chade ou da República dos Camarões, onde seriam vendidas por US$ 15. Também na semana passada, surgiu a informação de que elas teriam sido forçadas a casar com sequestradores, que teriam pago US$ 12 por uma noiva.
Em um vídeo, o líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, confirmou que as jovens seriam vendidas. “Deus me orientou a vendê-las, elas são propriedades Dele e eu vou fazer o que ele me pediu”, disse.
 Em desespero, nigerianos saíram às ruas no dia 1º de maio para protestar e exigir que o governo faça mais para resgatar as jovens.




A menina que conseguiu escapar:

Deborah Sanya também conseguiu escapar. Tem 18 anos e está prestes a se formar.
 Ela disse à revista The New Yorker que era meio-dia quando chegaram ao acampamento dos militantes, em um local remoto, no meio do bosque.
Os homens obrigaram suas colegas a cozinhar. Ela disse que não comeu, não tinha apetite.
Duas horas mais tarde, convenceu duas de suas amigas a tentar escapar. Elas se esconderam atrás de uns arbustos e, quando foram vistas pelos guardas, começaram a correr.
À noite, chegaram a um povoado, dormiram na casa de um estranho que as acolheu e, no dia seguinte, telefonaram para suas famílias.
"Pensei que minha vida tinha chegado ao fim", ela disse.
Assim como a irmã de Alamson, a preocupação e angústia que Sanya sente em relação às companheiras a impede de contar mais detelhes.
No momento do ataque, só estavam na escola as estudantes que estavam fazendo os exames finais.

O Protesto:




Desde o desaparecimento das meninas, começou um protesto que começou na Nigéria, mas comoveu o mundo todo.












Quer participar desse protesto também? Públique a sua foto com a hashtag #bringbackourgirls no twitter. A Capricho também está participando, você também pode postar a foto com a hashtag #capricho no instagran. Eu já estou nessa! E você?



Compartilhar Google Plus

Autor Sofia Campos

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Editá-lo digitando o texto no html .

Postagens Relacionadas

6 comentários :

  1. Que absurdo gente!
    http://toobege.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Absurdo enorme Mariana!
      Gostei muito do seu blog, já me inscrevi. Obrigada por se inscrever aqui!

      Excluir
  2. Por que esses nojentos envolvem Deus em tudo??? Dá até raiva!
    Espero que tudo isso se resolva e ela voltem para casa sãs e salvas.
    formula-amor.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Sofia! Eu tbm não entendo.. Estou lutando por elas tbm..
      Já visitei o seu blog algumas vezes, ele é bem legal! Eu já me inscrevi nele. Parabéns! Se inscreve aqui?

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial